Padrasto é preso por estuprar e engravidar a enteada de 13 anos em Teresina

Abusos começaram quando a menina tinha só 10 anos. Acusado ameaçava a menina e a mãe dela de morte para não ser denunciado.

18/05/2022 09:13h

Compartilhar no

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Capturas (Decap) efetuou a prisão de um homem identificado pelas iniciais F. das C.F.P, 42 anos, acusado de estuprar e engravidar a própria enteada de 13 anos, em Teresina. Ele foi preso no bairro Satélite durante cumprimento a mandado judicial expedido pela 6ª Vara Criminal.


Leia também: Padrasto é suspeito de estuprar e engravidar enteada de 13 anos 


De acordo com o coordenador da Decap, delegado Willame Morais, F. das C. começou a abusar sexualmente da enteada quando ela tinha só 10 anos. Para impedi-la de contar para alguém sobre os abusos, ele ameaçava a ela e à mãe dela de morte. 


Foto: O Dia

"Ela ficou calada esse tempo todo, mas em 2019 ficou com suspeita de gravidez e fez o teste na farmácia. Uma amiga descobriu, contou para a mãe dela e a pressionou para denunciar. Foi só então que a vítima contou tudo, que há três anos era abusada pelo padrasto e que estava grávida dele. A mãe pediu satisfação a ele e começou a ser ameaçada também. Ele disse que iria matar ela e a filha, por isso demoraram tanto a denunciar", detalhou o delegado.

Após o recebimento da denúncia, a polícia abriu o inquérito, mas F. das C. fugiu ao ser condenado pelo crime de estupro de vulnerável. O mandado judicial de prisão definitiva expedido contra ele data de novembro de 2021 e só foi cumprido nesta semana na zona Leste de Teresina.

O delegado Willame informou que o acusado não ofereceu nenhuma resistência à prisão e que já passou por exames de corpo de delito, foi ouvido e encaminhado ao sistema prisional. "Não tem como a gente não se comover com uma situação dessas. É um crime bárbaro a pessoa passar três anos abusando de uma criança. E o pior: o responsável é o padrasto que ajudou a criar essa criança. A resposta que podemos dar e que demos foi a de  tirar esse indivíduo de circulação e impedir que ele continuasse cometendo outros crimes", finalizou o delegado.


O delegado Willame Morais é coordenador da Decap - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Quanto à vítima, a polícia informou que ela passou por um processo de aborto autorizado pela Justiça já que sua gravidez foi resultado de um crime.

F. das C. F. P foi condenado a 20 anos de prisão em regime fechado.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário