MP notifica Prefeitura de Teresina para regularizar alimentação de pacientes acamados

A alimentação enteral é considerada essencial para a saúde de pessoas enfermas impossibilitadas de alimentar-se

05/10/2022 13:30h - Atualizado em 05/10/2022 13:17h

Compartilhar no

Quase um mês após o Portal O Dia denunciar a falta de alimentação para pacientes acamados em Teresina o drama persiste. Na manhã desta quarta (05) o vereador Ismael Silva (PSD), que denunciou o descaso no fornecimento dos insumos para a dieta enteral, revelou que o Ministério Público Estadual já notificou a Fundação Municipal de Saúde para esclarecer a grave crise, porém o problema continua. Em setembro Ismael revelou que FMS estaria a mais de três meses sem fornecer os insumos para a dieta de pacientes. 


Leia Mais: 

A alimentação enteral é considerada essencial para a saúde de pessoas enfermas impossibilitadas de alimentar-se convencionalmente pela boca ou que não consigam manter seu estado nutricional adequado. O custo deste tipo de alimentação, de acordo com especialistas, pode passar dos R$ 1.000,00 mensais, impedindo muitas famílias de arcar com o valor da dieta. A alimentação deve ser fornecida pelo Sistema Único de saúde através da rede assistencial.

Foto: Assis Fernandes/ O DIA

O vereador explicou como está o processo de investigação do MP e lamentou a falta de resolução. “Acionamos o MP e fizemos uma fiscalização in loco indo na FMS averiguando a situação desta população que necessita da alimentação da dieta enteral e do leite especial. No que diz respeito à notificação administrativa do MP a Prefeitura apresentou uma justificativa que não concordamos, que não vem embasada com os documentos. Vamos estar mais uma vez no Ministério Público nesta semana, o processo já foi encaminhado ao próprio MP que já instaurou essa notificação recomendatória, solicitando informações a FMS. Vamos aguardar uma resposta definitiva”, lamentou o político

Após uma convocação dos vereadores, o Presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque, irá ao parlamento municipal na próxima terça explicar os motivos do problemas no sistema. A FMS foi consultada, porém não se manifestou.

FOTO: Assis Fernandes/ O DIA

Tem o alimento na loja mas não tem na Prefeitura

O parlamentar lamentou o fato de pais e familiares estarem comprando a alimentação do próprio bolso, o mesmo insumo em falta na Prefeitura. “A Prefeitura alega o desabastecimento desses alimentos, porém, observamos que as famílias estão tirando do próprio bolso o dinheiro para comprar esses alimentos na iniciativa privada, é estranho ter os produtos no mercado privado e não na Fundação Municipal de Saúde. Fizemos um dossiê de 26 páginas junto ao Ministério Público e apresentamos pacientes que aguardam quatro meses por essa nutrição alimentar. Temos relatos de pacientes que estão agravando o estado de saúde e perdendo peso”, finalizou. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário