Vereadores denunciam “colapso” na saúde de Teresina e FMS é chamada para esclarecimentos

De acordo com os parlamentares 80% do orçamento da saúde para este ano já teria sido gasto

14/09/2022 12:00h - Atualizado em 14/09/2022 13:37h

Compartilhar no

Após denúncias do Portal O Dia mostrando a falta de insumos básicos no sistema de saúde de Teresina, vereadores aprovaram por unanimidade, na Câmara Municipal, o convite ao presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque, para prestar esclarecimentos. Desde o ano passado teresinenses sofrem com a falta de ítens como luvas, seringas e soro fisiológico.


Leia Mais: 

Vereador denuncia FMS por falta de alimentação para pacientes acamados em Teresina 
Com redução no percentual de repasse, orçamento da saúde de Teresina cai 5% em dois anos 
Cirurgias eletivas em Teresina podem ser suspensas por falta de soro em hospitais 

Pacientes reclamam de demora no atendimento e falta de medicamentos na UPA do Promorar 
Conselho Regional de Medicina notifica UBS do bairro São João por falta de medicações 


De acordo com os parlamentares um possível “colapso” pode ocorrer na saúde do município já nos próximos meses. O vereador Leonardo Eulálio denunciou que quase todo o orçamento da saúde para este ano já teria sido utilizado. “A Fundação Municipal de Saúde já gastou mais de 80% do orçamento para 2022, ainda estamos em setembro. O que estou alertando é que vai entrar em colapso. Já temos falta de medicamento, falta de leite, falta de insumos, cirurgias que estão sendo proteladas. Estamos em alinhamento com o Ministério Público para investigar” denunciou o parlamentar

Recentemente o vereador Ismael Silva revelou que FMS estaria a mais de três meses sem fornecer insumos para a dieta enteral de pacientes acamados e suplemento alimentar para crianças e pacientes que dependem de alimentação especial em Teresina. 

Nesta terça quem denunciou foi o ex-líder de governo, Enzo Samuel, autor do requerimento que convidou o presidente da FMS para prestar esclarecimentos. “Sou pai de criança com APLV, que é alergia de proteína ao leite de vaca, isso é um problema muito sério  e as crianças estão sem essa alimentação em Teresina. Por ser um alimento especial são leites  que chegam a custar R$ 500 e durar de três a cinco dias. Essas pessoas não podem ficar sem assistência. Queremos saber o que está acontecendo e como podemos ajudar. O quanto antes esperamos que o Dr. Gilberto, presidente da FMS, venha na Câmara para prestar esclarecimentos”, disse o vereador.

O Portal O Dia aguarda, desde a última terça (13), um posicionamento da Fundação Municipal de Saúde a respeito das denúncias.  A assessoria do órgão revelou apenas que “iria ver se procedia” as denúncias feitas, porém não retornou desde então.

Foto: Tarcio Cruz/ O DIA

Solução seria uma grande licitação

O vereador Leonardo Eulálio criticou a atuação condução da FMS e apontou os erros que o presidente Gilberto Albuquerque estaria cometendo.  “Estou alertando isso, o MP está indo cobrar. A grande questão é que o nosso amigo Gilberto quando vem aqui ele atribui a falta de insumos e medicamentos a guerra na Ucrânia e não traz resoluções. A solução deveria partir de uma licitação ampla, planejamento para 2023, quero saber de onde a Prefeitura vai tirar o dinheiro para cobrir os buracos que ficarão com a saúde”, concluiu. 

FOTO: Tarcio Cruz/ O DIA

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário