Robert Rios critica protesto “pouco mais de 100 professores nessa pendenga”

O vice-prefeito da Capital teceu críticas sobre o protesto realizado por professores da rede municipal

16/08/2022 13:05h - Atualizado em 16/08/2022 13:17h

Compartilhar no

As solenidades em alusão ao aniversário dos 170 anos de Teresina continuam rendendo polêmicas. Desta vez, o vice-prefeito da Capital, Robert Rios, teceu críticas sobre o protesto realizado por professores da rede municipal na manhã desta terça-feira (16), em frente à Igreja Nossa Senhora do Amparo, enquanto o prefeito, Dr. Pessoa, chegava para assistir a missa de ação de graça.


Leia também: 
Dr. Pessoa é recebido com protestos em missa pelo aniversário de Teresina 
Em greve há 187 dias, professores de Teresina pedem saída de Dr Pessoa da prefeitura 


Na sessão solene realizada na Câmara de Vereadores, Robert Rios minimizou o ato dos docentes, que estão em greve há 195 dias. “Quando se fala em protesto de professores, você imagina um conjunto de professores. Somos mais de quatro mil professores e tem pouco mais de 100 nessa pendenga com a Prefeitura. Tudo isso nasceu de uma mentira. Eles dizem que o presidente Bolsonaro deu um aumento para os professores de 33,24%, mas isso não é verdade. Ele deu esse aumento no piso dos professores e o Dr. Pessoa deu muito além, deu um aumento de quase 49%”, cita.

Robert Rios pontuou ainda que esse impasse tem sido causado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm) e que a gestão tem trabalho para colocar as finanças da prefeitura em dia, especialmente no que diz respeito ao reajuste dos servidores públicos e professores. 

Robert Rios, vice-prefeito de Teresina (Foto: Assis Fernandes/ODIA)

“Eles [sindicato] queriam um aumento era no teto, porque o sindicato está no teto. O sindicato, além de não ter a responsabilidade de dar aula, tem gente aí que está há mais de 20 anos que não dá uma aula, que não entra em sala de aula, e ainda quer ter um aumento assim. Nós demos um bom aumento no piso dos professores, demos um bom aumento para os servidores públicos, colocamos as finanças em hoje e estamos pagando em dia. O Dr. Pessoa estuda outras maneiras de ajudar os servidores públicos e professores, mas não vai ser o sindicato empurrando a administração que vai chegar em algum lugar”, completou Rios. 

Assim como na Igreja Nossa Senhora do Amparo, a Câmara de Vereadores estava cercada por grades e contou com a presença da Polícia Militar e da Guarda Municipal, que reforçaram a segurança no perímetro da Casa durante a sessão.

Contraponto

O coordenador geral do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm), Sinésio Soares, enfatizou que a categoria tem trabalhado ativamente em busca dos direitos dos professores e servidores. 


Leia também: Prefeitura assina empréstimo de R$ 500 milhões com o Banco do Brasil


“Temos trabalhado nas ruas diariamente, porque não fazemos greve de pijama, desde o dia 07 de fevereiro, buscando uma audiência com o prefeito. Ele nos recebeu com bala de borracha e não quer negociar. Houve recentemente uma audiência pública na Câmara Municipal onde três promotorias de Justiça e um auditor fiscal do TCE, de forma unânime, concluíram que o prefeito não está cumprindo a lei federal e o Ministério Público abriu uma ação civil pública chamando para uma audiência de conciliação”, disse.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário