Covid-19: Casos caem, mas internações permanecem em alta em Teresina

As internações continuam prolongadas e as mortes ainda estarão em alta em Teresina

18/07/2022 14:44h - Atualizado em 18/07/2022 14:57h

Compartilhar no

Os casos novos de Covid-19 em Teresina apresentaram redução de 15% na última semana epidemiológica, de 10 a 16 de julho, de acordo com os dados levantados pela Fundação Municipal de Teresina (FMS). Porém, a preocupação com a doença permanece entre as autoridades de saúde, já que as internações permanecem em alta na capital. 


Leia tambémConfira o cronograma de vacinação contra Covid-19 para esta semana em Teresina 


Segundo o virologista e neurologista da FMS Marcelo Adriano, o pico da terceira onda aconteceu no dia 9 de julho e explicou que a redução já era aguardada devido a análise dos dados das semanas anteriores, que indicaram diminuição de casos e da procura por atendimento de casos suspeitos de síndromes grupais

Foto: Assis Fernandes / O Dia

“Ainda que a utilização do autoteste possa gerar algum grau de subnotificação, a maioria absoluta da população teresinense depende do sistema público para testagem, de forma que os resultados destes exames não alteram significativamente as projeções e as tendências verificadas, por meio dos diversos indicadores averiguados pelo COE-FMS”, afirmou Marcelo Adriano.

Por outro lado, os técnicos do Comitê de Operações Especiais (COE) da Fundação Municipal de Saúde analisam que a apesar das reduções, as internações continuam prolongadas e as mortes ainda estarão em alta em Teresina nessas próximas semanas. 

“Como as hospitalizações por SRAG são prolongadas, atualmente, o número de pacientes internados por Covid-19 permanece elevado, por conta do caráter cumulativo das internações, levando a uma taxa de ocupação de leitos crescente. De forma análoga, é esperado que o número de mortes pela doença permaneça elevado ainda por algumas semanas, a despeito da queda do número de novas infecções, pois os casos de óbitos por Covid-19 ocorrem geralmente três a quatro semanas após a hospitalização”, comentou o infectologista do COE Walfrido Salmito

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informações da FMS

Deixe seu comentário