Sem indenização, famílias da Vila da Paz vivem em área de risco: "tenho medo de morrer"

A residência já teve o muro e dois cômodos derrubados pela erosão do solo, que sofre ação da chuva e dos abalos provocados pela obra da prefeitura.

10/11/2021 12:28h - Atualizado em 10/11/2021 13:20h

Compartilhar no

A antecipação das chuvas tem começado a preocupar os moradores de Teresina, em especial as famílias que moram em casas localizadas em áreas de risco. Na Vila da Paz, zona de Sul de  Teresina, o pintor Raimundo Nonato e mais seis pessoas da sua família moram em um imóvel à beira de um grotão. A residência, localizada em uma área contemplada por projeto de urbanização da Prefeitura de Teresina, já teve o muro e dois cômodos derrubados pela erosão do solo, que sofre ação da chuva e dos abalos provocados pela obra.


Fotos: Assis Fernandes/O Dia


Leia também: VÍDEO: sem iluminação pública, teresinenses temem fazer exercícios na Marechal 


Segundo ele, em fevereiro deste ano, uma equipe da Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas (SAAD Sul) esteve no local para propor um acordo para que os moradores deixassem o local. A promessa era de que a família receberia cerca de R$ 100 mil de indenização para comprar um novo imóvel e deixar a área de risco.

“Aqui onde está a nossa casa vai passar a obra, vai ter uma rua. Eles disseram que queriam fazer esse acordo e a gente receberia R$ 107 mil para comprar uma nova casa, mas já tem nove meses e até agora não recebemos. Já fomos à prefeitura cobrar e nada. Estamos esperando receber esse dinheiro pra poder sair daqui, porque não temos condição nem de pagar um aluguel. Eu tenho medo da casa cair e morrer todo mundo”, explica o morador.

Foto: Assis Fernandes/O Dia

O pintor é morador da Vila da Paz há 30 anos. No local moram, além dele, a esposa, uma filha e quatro netos. O imóvel é localizado ao lado de uma passarela - cuja estrutura está danificada - e à beira do córrego. O medo é de que, com a chegada do período chuvoso e a proximidade das obras de urbanização, a casa acabe desabando como aconteceu com parte da estrutura.

Foto: Assis Fernandes/O Dia

“Quanto mais o trator chega perto daqui, mais a casa treme. Já caiu o muro aqui do lado, um quarto e um banheiro. Construímos esse banheiro aqui às pressas pra poder usar. A porta do lado tem que ficar fechada porque agora tem essa ribanceira e meus netos podem cair. Não fizemos nenhuma reforma porque o pessoal da prefeitura disse que não podemos mexer na estrutura da casa porque vamos sair daqui”, denuncia Regina do Amparo, esposa do seu Raimundo.

Foto: Assis Fernandes/O Dia

Mesmo sem receber o dinheiro da indenização, a família faz planos para sair do local. A esperança é de que a quantia prometida pela prefeitura seja suficiente para comprar uma casa no mesmo bairro. “Nós moramos aqui há mais de 30 anos, não queremos sair daqui. Quatro vizinhos já saíram e receberam casas no [residencial] Torquato Neto, mas a gente quer o dinheiro para continuar aqui. Nossa vida é toda construída na Vila da Paz, nossos netos estudam aqui, não temos como começar tudo em outro lugar”, lamenta a dona de casa.

A reportagem do O DIA procurou a SAAD Sul, que informou que a Gerência de Habitação já encaminhou os processos para a Procuradoria Geral do Município para dar continuidade à liberação das indenizações. Ao todo, foram sete negociações referentes a desapropriações na Vila da Paz.

De acordo com a SAAD, o processo de negociações foi retomado em abril deste ano e as negociações com os moradores ocorreram em junho, estando presentes Saad, Semduh e PGM. “Os processos acordados foram enviados para os trâmites burocráticos necessários e no momento encontra-se com minuta a ser encaminhada a Semgov e posteriormente a Semf para pagamento. Ressalta-se que, segundo o acordado, os moradores continuam em suas casas até o efetivo recebimento da benfeitoria”, informou a SAAD.


É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário