Acusados de assaltar BB de Miguel Alves são condenados a mais de 83 anos

No dia do crime, os acusados usaram explosivos para explodir a agência do banco e chegaram a fazer moradores de reféns.

23/09/2022 09:49h

Compartilhar no

A Justiça do Piauí condenou, nesta quinta-feira (22), José Anderson Nascimento Pinheiro, Francisco de Assis da Silva Santos Júnior, Gildo Inácio da Silva, Jefferson de Jesus Santiago da Silva e Francisco da Costa Mendes, acusados de assaltarem a agência do Banco do Brasil localizada na cidade de Miguel Alves, crime ocorrido em outubro de 2020. As penas de todos os réus somadas chegam a mais de 83 anos de prisão.

No dia do crime, os acusados usaram explosivos para explodir a agência do bancochegaram a fazer moradores de reféns. Armados com fuzis, os criminosos trocaram tiros com a polícia e um deles acabou morrendo em confronto com policiais cerca de uma semana depois do crime.

Foto: Reprodução

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a quadrilha era liderada por José Anderson Nascimento Pinheiro e Gildo Inácio da Silva, conhecido como Bicudo. Este último, inclusive, já possui condenações em outros três processos, entre eles o envolvimento na apreensão de fuzil e explosivos que seriam utilizados em assaltos a instituições financeiras, crime pelo qual foi condenado a oito anos. Em 2021, Bicudo foi preso na Paraíba pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco).

Durante o julgamento, o réu Francisco da Costa Mendes confessou à Justiça ter auxiliado o bando na fuga. Em seu depoimento, ele relatou que foi procurado por seu cunhado José Anderson Nascimento Pinheiro, dias antes do crime, para que fosse em seu veículo, um gol de cor branca, até uma barragem localizada na estrada entre União e Miguel Alves,  para que buscasse o José Anderson e outro comparsa e os levasse para a rodoviária, onde pegariam uma van para Teresina. O réu confessou ainda que, juntamente com Jefferson de Jesus Santiago da Silva, ateou fogo nos veículos usados no assalto para ajudar na fuga do bando.

Em depoimento ao juiz, um lavrador da Localidade Santiago, na zona Rural de União, foi procurado por Gildo, Francisco de Assis e José Anderson dias antes do crime e teria sido coagido a ajudar o bando na fuga após o assalto. O lavrador relatou ter sido ameaçado de morte e, por causa disso, prestou assistência aos réus, entregando mantimentos e água, e por conhecer a região, indicou um caminho até o topo de um morro para que alguns dos integrantes da quadrilha para pudessem se esconder da perseguição policial.

Em sua decisão, o magistrado pontuou que “é possível verificar a gravidade concreta do delito praticado, demonstrada pelas circunstâncias em que ocorreu, em que os acusados, em concurso de pessoas, entre si e com os demais acusados, praticaram roubo com uso de armas de fogo de grosso calibre, demonstrando o elevado grau de periculosidade”.

Os réus foram condenados a mais de 83 anos de prisão pelos crimes de roubo com emprego de arma de fogo de uso permitido ou proibido, roubo com emprego de explosivo ou artefato análogo, roubo mediante concurso de duas ou mais pessoas, organização criminosa com emprego de arma de fogo, sequestro e cárcere privado e receptação qualificada.

Na sentença, o magistrado fixou para todos o regime fechado para o início do cumprimento das penas, que variam entre 14 e 17 anos de reclusão.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário