Faccionados quebraram grades e usaram corda improvisada para fugir do presídio de Altos

O grupo de presos utilizou o ferrolho de uma das grades para quebrar os cadeados de celas do pavilhão B.

08/08/2022 11:12h - Atualizado em 08/08/2022 11:27h

Compartilhar no

O Sindicato dos Policiais Penais do Piauí (Sinpoljuspi) revelou ao O DIA como se deu a dinâmica da fuga de integrantes da facção criminosa Bonde dos 40, ocorrida na noite da última quinta-feira (04), na Casa de Detenção Provisória de Altos. Segundo o presidente do Sinpoljuspi, Vilobaldo Carvalho, os detentos quebraram as grades e usaram uma corda improvisada para pular o muro da penitenciária.

A fuga dos detentos iniciou no setor conhecido como triagem, local para onde são enviados os presos recém-chegados na unidade prisional. Após conseguir sair da triagem, o grupo de presos utilizou o ferrolho de uma das grades para quebrar os cadeados de celas do pavilhão B, onde estavam aprisionados outros integrantes da mesma facção. Em seguida, os fugitivos fizeram uma teresa, uma espécie de corda feita com tecidos, para conseguir escalar e pular o muro da penitenciária.

Foto: Divulgação/Sejus

“Nós temos um problema da estrutura, mas essa [penitenciária] não é uma das mais ruins, ela não é tão antiga. A Sejus tem adotado os procedimentos de segurança e esses procedimentos são feitos pelos policias penais nas rotinas. Isso tem melhorado muito a situação, evitando fugas, motins e rebeliões. Agora, os presos estão 24 horas pensando em fugir e cabe a nós fazer o papel de tentar evitar que isso aconteça, criar condições para fazer com que isso não ocorra”, afirmou o presidente do Sinpoljuspi.

Segundo Vilobaldo Carvalho, a Casa de Detenção de Altos possui atualmente cerca de 200 detentos e cinco policiais penais por plantão. Entre os presos, estão integrantes da facção criminosa Bonde dos 40, da qual faz parte o grupo de fugitivos, e do Comando Vermelho. Para evitar confronto entre as facções, os integrantes das organizações rivais são separados por pavilhão.

“Lá já havia esses do Bonde dos 40 e havia recém-chegado, dois dias antes da fuga, esse pessoal do Comando Vermelho, que foi essa transferência que houve na terça-feira. Eles não ficam no mesmo pavilhão, houve essa separação para evitar que eles se matem”, revela, fazendo referência à operação Translatio, ação que teve como objetivo remover presos de unidades penais de Teresina e Altos. Na ocasião, foram transferidos membros da organização criminosa Comando Vermelho.

Até o momento, três detentos já foram recapturados pela Sejus. Os fugitivos foram localizados na madrugada de domingo (07), nas proximidades do posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-343, em Teresina. Eles foram identificados como Roberto Wilamy PereiraWillames da Conceição Alves e Carlos Adriano da Cruz Silva.

De acordo com a Sejus, desde que empreenderam fuga os detentos se movimentaram por uma região de mata. Eles chegaram a atacar residências em busca de roupas para se livrarem do uniforme do sistema prisional e alimentos.

Em nota, a Sejus acrescentou que segue com equipes das Rondas Ostensivas de Caráter Prisional (Rocap) e Gerência da Casa de Detenção Provisória de Altos na busca para a recaptura dos demais fugitivos.

São considerados foragidos: 

  • Maicon Pereira da Silva, 
  • Davi Albuquerque de Sousa Barros, 
  • Iago Oliveira da Silva, 
  • Murilo Gabriel Oliveira Gomes, 
  • Jeremias Oliveira Nascimento, 
  • Paulo Sergio Gomes dos Santos, 
  • Mateus Pereira da Silva, 
  • José Hilson Alves de Sousa, 
  • Josué Sena Rosa, 
  • Leandro Alves de Araujo, 
  • Lailson Dias Almeida, 
  • Gustavo Martins de Sousa, 
  • Guilherme da Silva Ribeiro Paz.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário