Juiz adia julgamento de acusado de matar jovem em festa na Copa de 2014

A defesa do acusado alegou a impossibilidade de comparecimento de Erlandio ao julgamento devido a um tratamento de saúde que irá fazer na cidade de São Paulo.

15/08/2022 08:54h - Atualizado em 15/08/2022 09:16h

Compartilhar no

O juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto, titular da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, acolheu o pedido de adiamento da sessão plenária de julgamento de Erlandio Miranda Coelho, acusado de matar a tiros o estudante de engenharia, Ruan Pedreira, de 21 anos, durante uma festa na Copa do Mundo de 2014, no bairro Saci, zona Sul de Teresina. O julgamento do caso estava marcado para a próxima quarta-feira, dia 17 de agosto, às 8h30.

De acordo com o juiz, a defesa do acusado alegou a impossibilidade de comparecimento de Erlandio ao julgamento devido a um tratamento de saúde que irá fazer na cidade de São Paulo. "Consta do pedido que o causídico, na data acima declinada, encontra-se com viagem marcada para a cidade de São Paulo-SP, ocasião em que submeter-se-á a recurso terapêutico no Hospital Albert Einstein", diz o magistrado na decisão. Com isso, a sessão foi adiada e uma nova data deverá ser marcada na próxima pauta de julgamento.

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Erlandio foi preso em agosto de 2018, quatro anos após o crime. Na ocasião, o acusado foi detido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) após usar identificação falsa em uma barreira na BR-343, entre as cidades de Piripiri e Piracuruca. O réu já vinha sendo monitorado pela inteligência da Polícia Civil. Além do homicídio, Erlandio também era suspeito de envolvimento com assaltos a bancos e explosões de caixas eletrônicos.

Entenda o caso

Segundo a denúncia do Ministério Público, no dia 28 de junho de 2014, após um dos jogos da Copa do Mundo, Erlandio e a namorada, que não foi identificada, teriam tentando entrar no bar Cais do Parnaíba, onde as vítimas Raimundo e Marcos trabalhavam como seguranças, sem passar pela revista pessoal. Após causar tumulto na porta do estabelecimento, os seguranças imobilizaram Erlandio e pediram que ele se retirasse do local. 

Minutos depois, Erlandio teria retornado armado e disparou várias vezes contra os seguranças, mas não conseguiu atingi-los. Nesse momento, uma terceira pessoa não identificada começou a efetuar disparos contra o acusado, tentando contê-lo, instante em que Erlandio passou a disparar contra a multidão que se encontrava em frente ao bar, atingindo a vítima Rua Pedreira Silva, que veio a óbito dias depois.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário