Chef de cozinha se inspira em Teresina e cria pratos e drinks

No cardápio de Lorena Dayse, o folclore teresinense, lendas, contos e história

16/08/2022 11:48h

Compartilhar no

Teresina é rica em referências culturais, com pontos que marcam a fundação do município e entram no roteiro turístico daqueles que querem conhecer mais sobre essa cidade cheia de histórias para contar. Para muitos, a mistura desses elementos rende, não somente memórias, mas serve de inspiração para criar outras lembranças, que podem ser, literalmente, saboreadas.


Leia também: Com suavidade e leveza, bailarina leva o nome de Teresina aos palcos do mundo 


A chef de cozinha Lorena Dayse possui dois restaurantes, um com a culinária mais tradicional e outro com uma gastronomia mais moderna. Ela conta que alguns lugares lhe marcaram muito, especificamente na infância, como o Mercado da Piçarra e o Encontro dos Rios, próximo às olarias. Resgatando esses sentimentos que tem por Teresina, a chef criou pratos inspirados nas lendas e contos populares da cidade, como o Cabeça de Cuia e a Não Se Pode. O Encontro dos Rios, importante ponto histórico de Teresina, também virou um prato muito apreciado pelos teresinenses.

A chef de cozinha Lorena Dayse conta ter boas memórias de Teresina (Fotos: Arquivo pessoal)

“Ambos são totalmente inspirados na riqueza de Teresina, na cultura e na história, fazendo com que o teresinense valorize essa nossa cultura de gastronomia que é linda. O Cabeça de Cuia é muito pedido, assim como o Não se Pode. Já os pratos remetem à culinária tradicional, como o bode, baião de dois e a paçoca, que trazem a nossa essência. Tem um prato mais contemporâneo que vai manteiga de buriti. Um prato sazonal, mas muito pedido, é o Encontro dos Rios. Ele é bem francês, mas traz o encontro representado em dois molhos, um mais escuro e outro mais claro, que remete ao nosso Encontro das Águas. Esse é um dos pratos mais marcantes”, disse a chef.

Lorena Dayse fala do orgulho em ser teresinense e conta do carinho que tem pela cidade, especialmente de alguns lugares que marcaram sua infância, como o Mercado da Piçarra. A chef morou bem próximo ao mercado e visitava frequentemente o espaço.

“Eu morava ali perto, então desde os três anos eu ia lá. Todo mundo das feirinhas me conhece, justamente porque eu cresci lá e tenho uma paixão muito grande por aquele lugar. Também frequento muito o Mercado do Mafuá. Costumo receber muitas pessoas e chefs de fora e sempre os levo nesse passeio para mostrar as belezas de Teresina, como o Encontro das Águas e as olarias. E tenho uma paixão muito grande por morar e mostrar nossa cidade”, comenta.

Além de se inspirar na capital para criar os pratos que apresenta em seus restaurantes, a chef Lorena Dayse conta que faz questão de enaltecer nossa cidade, tanto para amigos e visitantes que vêm a Teresina como quando está de passagem por outras cidades e estados.

"Quando eu viajo para fora levo muito nossa culinária. Creio que meu nome já está marcado no cenário nacional. Muitos chefs e pessoas da gastronomia me conhecem e sabem que, sempre que estou por lá, levo a bandeira do Piauí, de Teresina, das nossas raízes. E também trago essas pessoas para conhecer nossa terra porque ainda há muito preconceito. É importante essa conexão e quando eles veem o amor e carinho que eu tanto falo de Teresina, eles também ficam encantados", disse.


Leia também: Teresinense de coração: engenheiro beneficia população com projetos de energia solar 


Para os 170 anos de Teresina, Lorena Dayse deseja que a população valorize o que é da terra e aprecie as belezas e riquezas da cidade. "Eu sou muito feliz por ter nascido em Teresina e ter escolhido essa cidade para viver. Tive muitas oportunidades para sair daqui, trabalhar e morar em outros locais, às vezes, até com maior reconhecimento e investimento de outras pessoas, mas escolhi Teresina porque acredito, amo e reconheço o potencial que essa cidade tem. Espero que todos os teresinenses, assim como eu, aprendam a valorizar nossa cultura e nossas raízes. O teresinense tem muito de dizer que é bom o que vem de fora, e, às vezes, está aqui, tão cheio de valor, e a gente não reconhece", conclui a chef.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário