Estrada da Alegria: moradores fazem concurso de redação para denunciar abandono da obra

Na manifestação, foram distribuídas medalhas para os estudantes que tiveram as melhores notas nos textos e desenhos denunciando o descaso da gestão municipal com a a conclusão da via.

20/04/2022 10:07h - Atualizado em 20/04/2022 11:57h

Compartilhar no

Moradores do Povoado Alegria, na zona Rural Sul de Teresina, realizaram na manhã desta quarta-feira (20) um protesto simbólico pedindo a conclusão das obras da estrada que leva à localidade. A manifestação consistiu em um concurso de redação e de desenho feito entre as crianças do bairro para denunciar a situação de abandono da construção da Estrada da Alegria.

Os moradores que vivem no entorno convivem diariamente com buracos, poeira, falta de iluminação e dificuldade de acesso devido à morosidade do serviço, que é executado pelo poder público municipal. A manifestação aconteceu em frente à fábrica de asfalto de Teresina, que é de responsabilidade da Empresa Teresinense de Desenvolvimento Urbano (Eturb), órgão comandando pelo filho do prefeito Dr. Pessoa, o Pessoinha.


Leia também: Obras inacabadas e lentas deixam moradores de bairro na zona Sul de Teresina isolados 


Um dos que sofre diariamente com a dificuldade de acesso pela Estrada da Alegria é o empresário Adriano de Freitas Neto. Dono de uma fábrica de cerâmica na Estrada da Alegria, ele relata os prejuízos acumulados devido aos problemas na pista: “uma buraqueira dessa esculhamba os carros, dificulta o cliente de vir comprar. Tem mais ou menos 200 pessoas trabalhando nas empresas aqui do entorno, tem fluxo de caminhão todos os dias e não tem quem queira vir porque corta pneu e sobre poeira”, diz.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

O empresário não é o único a reclamar. O advogado e presidente do Conselho Comunitário da Alegria, Jorgenei Moraes, fala que é um paradoxo a localidade ser chamada de Alegria enquanto seus moradores vivem no abandono. “Aqui tem muita tristeza. As pessoas estão cansadas e a Prefeitura diz apenas que a estrada é interrompida, mas só sabemos que isso aqui é abandono. Nós chamamos isso aqui de Triângulo das Bermudas da zona Sul: temos um lixão, uma praça de esportes abandonada e uma obra de R$ 2 milhões sendo construída para nada”, desabafa Jorgenei.

Morador do Povoado Alegria há 25 anos, ele explica que o concurso de redação feito hoje em protesto pela conclusão da estrada traz o olhar crítico da própria comunidade sobre o problema com o objetivo de chamar a atenção das autoridades competentes. 


Foto: Assis Fernandes/O Dia

A redação vencedora relata justamente as dificuldades de ir e vir do Povoado Alegria pela estrada. De autoria da estudante Ketley Ticiane de Oliveira, 13 anos, o texto relatava a história de uma mulher que deu à luz na estrada porque não conseguiu fazer a travessia. “Comecei a criar como se o filho dela fosse um personagem, falando da vida dele, que ele nasceu na estrada por causa da construção, que não foi das melhores. Sobretudo, porque é ruim”, explicou Ketley.

Aluna do 8º Ano na Escola Municipal João Paulo I, ela finaliza afirmando que a comunidade onde vive não pode ficar abandonada como está. Em nota a Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas - Sul informou que a obra deve ser retomada no próximo dia 7 de maio.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Confira a nota da SAAD Sul:

A Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas Sul, lamenta os transtornos causados aos motoristas que trafegam pela Estrada da Alegria (Marginal Sul) e informa que a obra será retomada no dia 07 de maio, com várias frentes de serviços para agilizar a conclusão da obra que será entregue a população até dezembro desse ano.

A SAAD Sul esclarece que houve uma paralisação formal da obra, a pedido da empresa que executa os serviços, em função do período chuvoso. A solicitação levou em consideração que o serviço de terraplanagem, executado em diversos trechos da via, seria prejudicado pelas últimas chuvas, uma vez que a empresa teria o retrabalho de executar o serviço sempre que chovesse e isso acarretaria na perca de recursos públicos.

Até a retomada definitiva da obra, a SAAD Sul trabalha em algumas situações de emergência e em serviços paleativos para garantir a sinalização da via e melhorar o tráfego de veículos na Marginal Sul. A SAAD Sul, solicitou à Empresa Teresinense de Desenvolvimento Urbano (Eturb), que fosse iniciada uma operação tapa-buracos em alguns trechos da via para amenizar os transtornos.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário