Teresina: com redução de casos, Covid está em nível de baixa transmissibilidade

O município voltou a registrar menos de 200 casos por 100 mil habitantes por semana

27/07/2022 12:36h

Compartilhar no

Segundo dados da 29ª semana epidemiológica (17 a 23 de julho) divulgados pelo Comitê de Operações de Emergência da Fundação Municipal de Saúde (COE-FMS), Teresina teve uma redução de 33% no número de casos Covid-19. Assim, a Capital está no nível de baixa transmissibilidade da doença, o que corresponde à faixa verde, de acordo com a classificação do Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 


Leia também: Piauí: não vacinados com segunda dose de reforço contra Covid são 98% dos óbitos em 2 meses 


O município voltou a registrar menos de 200 casos por 100 mil habitantes por semana (parâmetro estabelecido para indicar o nível de baixa transmissão). De acordo com o virologista do COE-FMS, Marcelo Adriano Vieira, a parametrização da agência internacional para controle e prevenção de doenças (CDC) leva em conta também o número de internações novas por semana e o percentual de leitos hospitalares da cidade ocupados por pacientes com Covid-19.

“Na última semana foram registradas 4,8 internações/100 mil habitantes (ou seja, < 10/100 mil) e 5,7% do total de leitos hospitalares da cidade estavam ocupados por pacientes com Covid-19 (< 10%)”, explica o virologista. 

Desde o dia 19 de junho deste ano Teresina encontrava-se na faixa amarela de média transmissão. “Felizmente, na onda atual de casos de Covid-19, a capital não chegou a atingir o nível vermelho, de alta transmissão da doença”, analisa. 

Entretanto, o presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, descarta qualquer relaxamento de medidas, por enquanto, uma vez que o sistema hospitalar ainda deve se manter pressionado por algumas semanas. “As internações por Covid-19 são prolongadas e cumulativas. Além disso, os hospitais de Teresina recebem grande parte da demanda dos casos graves vindos das cidades do interior do estado, onde a transmissão ainda pode estar mais acentuada”, analisa, ressaltando a necessidade de observar melhor o padrão de transmissão da doença no retorno das férias e na retomada do período escolar.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário