Após 44 dias de greve, MP forma comissão entre sindicato e Prefeitura de Teresina

A greve começou dia 07 de fevereiro, a Prefeitura ofereceu um reajuste linear de 16% para categoria

23/03/2022 08:11h - Atualizado em 23/03/2022 08:26h

Compartilhar no

Após nova audiência extrajudicial, realizada pelo Ministério Público do Estado do Piauí(MPPI), na última terça-feira(22), representantes da prefeitura de Teresina e do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina(Sindserm),  aceitam proposta de criação de Comissão que fará tratativas de reajuste do piso salarial dos professores. A greve começou dia 07 de fevereiro, a Prefeitura ofereceu um reajuste linear de 16% para categoria que não aceitou a proposta e defende um acréscimo de 33% ao salário.

A sugestão de formação dessa Comissão foi apresentada pelas promotoras de Justiça Carmelina Moura, em exercício na 38ª Promotoria de Justiça de Teresina, e Flávia Gomes, coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Educação e Cidadania(Caodec). Na audiência  foi estabelecido que o grupo formado por integrantes do Sindserm e da Prefeitura de Teresina se reunirá na próxima segunda-feira(28), na sede leste do MPPI. Esse grupo deverá apresentar ao Ministério Público, até o dia 30 de março, um relatório com as tratativas definidas.


Leia Mais: 
"Quem sabe é Deus", diz Dr. Pessoa sobre volta às aulas em Teresina 
Professores fecham Marechal Castelo Branco em protesto após reajuste de 16% 
Greve dos professores: “Se não está tendo aula, para que a greve?”, diz Robert Rios 
Professores de Teresina deflagram greve geral e cobram reajuste de 33% 

“Mediar e conciliar é o que temos procurado fazer, reunindo as partes e colocando-as em contato para que estas conversem e tentem encontrar a melhor solução para o litígio em que estão envolvidas”, explica Carmelina Moura.

Para Flávia Gomes, o MPPI tem atuado de forma resolutiva. “Recebemos o conflito, analisamos e apresentamos as possibilidades de mediação com o poder público nessa demanda coletiva. Buscamos sempre uma solução consensual para as mais diversas questões. E, que nessa questão, deve resguardar o direito à educação, de nossas crianças e adolescentes, bem como, o princípio constitucional da valorização do magistério”, pontua.

O coordenador geral do SINDSERM, Sinésio Soares, elogiou a condução realizada pelas representantes do MPPI e acredita que o relatório produzido pela Comissão propiciará o retorno dos professores, que estão em greve, à sala de aula. “A gente saiu satisfeito dessa reunião. A promotoria compreendeu que é uma determinação legal, e, agora essa comissão que vai se reunir na próxima segunda-feira vai avaliar o comportamento dos repasses dos recursos do Fundeb e verificar uma maneira de cumprir essa Lei Federal. Nós, inclusive, temos propostas e vamos apresentar à essa comissão. E até quarta-feira da próxima semana esperamos que o relatório seja positivo, para gente voltar para sala de aula, é o que a gente está querendo, mas obviamente, com o cumprimento da Lei Federal”, disse Sinésio.

Representando a prefeitura de Teresina, o secretário municipal de Educação, Nouga Cardoso, avalia que a próxima reunião trará mais segurança para a tomada de decisão. “Essa reunião, com os dados contábeis, do que pode e o que não pode, vai trazer essa segurança que todos nós precisamos para tomada de decisão”, avaliou.

O diretor de Fiscalizações Especializadas (DFESP), Gilson Araújo e a chefe da Divisão de Fiscalização da Educação, Caroline Leite, também participaram da audiência e apresentaram dados e documentos sobre as possibilidades orçamentárias do município.

FOTO: Ascom MPPI

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Com informações MPPI